Carros novos e semi-novos

O Brasil é o quarto maior mercado de automóveis do mundo, atrás dos Estados Unidos, China e Japão. Nos últimos anos, entre 2002 e 2009, as vendas de automóveis cresceram 166,3%, saltando de R$ 45,7 bilhões de unidades para R$ 121,7 bilhões no período. No mesmo período dois milhões de pessoas ingressaram no mercado de automóveis, comprando o seu primeiro carro novo.

Ainda há potencial de crescimento no mercado brasileiro, ao menos, em algumas regiões do país. Segundo informações da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) realizada pelo IBGE em 2009 cerca de 18 milhões de pessoas possuíam automóveis, outros 32 milhões não possuíam. A partir de 2010 a indústria automobilística brasileira vem em uma trajetória declinante crescendo abaixo dos recordes dos anos passados.

Mas se depender da vontade do brasileiro em comprar seu carrinho às vendas voltarão a se aquecer. Recente levantamento realizado por um instituto de pesquisa que 8,5 milhões de brasileiros pretendem adquirir um veículo em 2012. Entre os entrevistados, 80,5% afirmaram que o preço é o principal atributo levado em consideração na compra de um carro, enquanto 62,9% acreditam que a potência do motor deve ser o primeiro item avaliado. O desejo de comprar esbarra na renda do brasileiro, ainda baixa, em média R$ 1.000,00 por mês e no endividamento das famílias. Pouco mais da metade das 1.019 pessoas ouvidas (52,3%), preferem adquirir um carro novo, o restante opta por um carro seminovo.

No mercado de automóveis carros seminovos são veículos nos dois primeiros anos de rodagem. Entre dois e cinco anos de funcionamento, o veículo já passa a ser classificado como usado. E, a partir de cinco anos já é visto como um carro velho. Esses são mais difíceis de vender, atualmente. No passado era comum ver pessoas manter seu veículo por muitos anos, isso mudou e o carro já deixou de ser um patrimônio.

Comprar um carro seminovo é uma boa oportunidade mesmo em um cenário de veículos novos com preços atraentes e maior facilidade no financiamento. O preço dos seminovos e usados despencaram e isso é positivo para quem está buscando o primeiro carro ou que um veículo mais potente e equipado do que os veículos de entrada. A dificuldade no setor de seminovos está relacionada com a escassez da liberação de crédito pelas instituições financeiras e já há uma movimentação do governo cobrando os bancos para que seja concedido mais crédito ao setor de usados, com taxas e condições de financiamento mais atrativas.