Não se pode dizer que há carros baratos no Brasil, naturalmente, há carros mais baratos do que outros. O maior vilão para o preço dos carros apontam alguns especialistas são os impostos que no Brasil são mais altos, por exemplo, do que nos países onde estão instaladas as matrizes das montadoras. A seleção de impostos incluem IPI, ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços pode chegar a até 30% do preço final de um automóvel) e PIS/COFINS, Imposto de Renda e Contribuição Social o que faz com que o brasileiro pague por um Fiat Uno, em dólares, US$ 15,6 mil, o mesmo valor que um europeu precisa para comprar um Honda Civic.

Os impostos são apenas um lado da moeda, os outros são: o chamado “custo Brasil” expressão utilizada para se referir a ineficiência brasileira na área de infraestrutura e logística. Há o custo das matérias-primas como aço e plástico que custam entre 30% e 40% mais no Brasil que em outros países, os impostos citados acima que incidem em cascata em toda a cadeia produtiva; o custo da mão de obra elevado quando comparado com outros países, entre outros.

Além disso, no Brasil o IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) é calculado pela cilindrada. Quanto maior a cilindrada, maior é o IPI. Para estimular o consumo o governo brasileiro isentou alguns veículos e reduziu o IPI de outros, com isso o preço médio de alguns carros para a venda caiu, em média, 5%.

Não á toa os carros mais emplacados em 2011 foram os “populares”, 1.2 milhão de carros o que representa 35,9% do total de veículos novos. Esse percentual vem caindo ano a ano: com mais dinheiro no bolso e acesso facilitado ao crédito, os brasileiros vêm investindo em veículos mais equipados, maiores ou com motores mais possantes, mas os populares ainda são a maior fatia do mercado porque são os carros novos baratos. O preço mais baixo é o principal argumento de venda destes veículos compactos. Os 10 carros novos baratos à venda no Brasil são (do mais barato ao mais caro): o Ford Ka, lançado em 2008, a segunda geração do compacto tem boa dirigibilidade e mecânica 1.0 eficiente, sobretudo no consumo de combustível; o Fiat Mille, antigo Uno; o Effa M100, o chinês mais barato à venda no Brasil, traz de fábrica freios ABS, airbag duplo frontal, ar-condicionado, vidros elétricos, rádio e quatro portas; Chery QQ; Renault Clio; Chevrolet Celta, modelo de entrada da GM no Brasil com motor 1.0 flex um dos mais confiáveis e eficientes da categoria; Fiat Uno, a nova geração com visual incrementado e motor 1.0 Fire Evo; o. Volkswagen Gol Ecomotion um dos carros mais destacados entre os modelos mais baratos do mercado brasileiro e um dos mais econômicos quando o assunto é consumo de combustível (com gasolina roda mais de 18 km por litro); o Chevrolet Classic e o Nissan March, único japonês do ranking dos carros novos baratos, o March é importado do México e um dos carros mais atuais da categoria. Na versão de entrada vem equipado com airbag duplo frontal, direção com assistência elétrica e computador de bordo. Todos abaixo do R$ 30.000,00.

Comentários

comentários