Cuidados ao transferir um carro financiadoFinanciamentos têm sido uma mão na roda para o consumidor que necessita, ou tenha um antigo desejo, de possuir um carro próprio. Não à toa, brasileiro é comumente relacionado à sua riquíssima paixão pelos automóveis.

Algo que pode pesar na consciência do proprietário desavisado, ao longo dos anos, no entanto, é o desejo de trocar o seu veículo, seja, mais uma vez, por necessidade ou, ainda, por desejo próprio de modernizar o seu possante de quatro rodas.

E os meses que faltam de parcelas podem frustrar os planos do condutor, a menos que ele se informe e compreenda de que forma ele pode fazer a troca do seu veículo e, também, de transferir o financiamento, livrando-o da dívida.

Abaixo, você fica a par de quais os procedimentos mais comuns adotados na hora de comprar ou vender um veículo que esteja com o financiamento em andamento. São eles:

Dicas para transferir o seu carro financiado

– Quitar o bem: esta é a primeira opção que tem o proprietário. Assim, o comprador paga o valor integral do veículo, no caso, e o vendedor vai ao banco pedir o desacordo entre eles. Com isso, tem-se, inclusive, um desconto integral dos juros. “O leasing deve ser tratado como financiamento e ter os mesmos abatimentos”, é o que alerta a supervisora da área financeira do Procon de São Paulo Renata Reis.

Faça a cotação do seu seguro automóvel

– Transferir a dívida: o procedimento, aqui, inclui uma aprovação prévia de crédito do comprador. Dessa forma, o vendedor deve apenas negociar com o seu comprador o valor já pago pelo automóvel.

– Substituição do bem: outra opção é substituir o bem, desde que seja pela compra d eum carro com maior valor agregado e modelo mais recente. Assim, o comprador deve, apenas, transferir a dívida anterior para o seu novo veículo, quitando a diferença de valor do automóvel antigo para a nova posse.

O que o dono do veículo deve ter sempre em mente, e em mãos, é uma cópia do contrato assinado no ato da compra. “Nele devem constar a taxa de juros e tarifas a serem descontadas na quitação” recorda Renata, do Procon.

Uma dica valiosa para o comprador é se certificar de que o vendedor está com todas as parcelas em dia. Isso porque, em caso de parcelas atrasadas, o comprador pode se deparar com juros que podem dar imensas dores de cabeça ao novo proprietário – principalmente se o vendedor se negar a quitar os débitos anteriores. Aí, o negócio pode ir por água abaixo.

Outra dica que vale ouro nesse negócio de transferir um veículo financiado é a de nunca vender um automóvel e deixar que a confiança sele o acordo – exceto, claro, se houver confiança inabalável entre ambas as partes. Isso se deve a um motivo muito simples: caso cada parcela deixe de ser honrada, e o nome seja negativado no SPC (Serviço de Proteção ao Crédito), o prejudicado será o antigo proprietário.

Comentários

comentários